Érica Magni

Poetas

Érica Luciana de Araújo Magni nasceu a 18 de fevereiro de 1986, no Rio de Janeiro. Poeta e jornalista, ela lançou em 2019 a sua primeira obra literária, intitulada “Poérica”, que reúne uma seleção de 32 poemas publicados em seu blog (poerica.tumblr.com), no ar desde 2011.

Filha de um pai italiano forasteiro e mãe imigrante do Norte, Érica passou parte da juventude em Vila Kennedy, Zona Oeste do Rio de Janeiro, e também em Boa Vista, Roraima. Fã de autores clássicos, como Guimarães Rosa e Vladimir Maiakóvski, a poeta tem em Hilda Hilst a sua grande influência literária.

Lançando na FLIP de 2019, “Poérica” pode ser considerada uma obra “confessional” (forma de expressão eternizada por Anne Sexton e Sylvia Plath) e que mostra, entre fases distintas da autora, o seu amadurecimento enquanto poeta. Utilizando versos livres, de reflexão própria, e poemas em prosa, Érica Magni aborda temas do cotidiano, memórias afetivas e familiares, suas experiências de vida, além de  forte posicionamento feminino em relação à sociedade.

Outra grande influência na obra de Érica Magni foi o período em que viveu na Europa. Durante quatro anos, entre 2014 e 2018, optou por desbravar o velho continente em busca de novas inspirações para seus textos. Passou por países como Espanha, França, Portugal, Alemanha, Itália e Islândia, descrevendo as peculiaridades de cada local, através de suas sensações e impressões de mundo.

De volta ao Brasil, Érica vive atualmente no Rio de Janeiro trabalhando como jornalista e coordenando a comunicação de diversos projetos culturais.

Poemas de Érica Magni:

Tetê Terraço

era uma mulher,vivia no alto do direito,[beijo] no sol quente do meio-dia,[mão na mão] da lua ardentecontra melancolia,vendia colheresde chá, de folhas,que ela secava,que ela mesma moíaque dela mesma saía"Malaquias 3:10",Escrevia da bíblia,em catálogos de...

ler mais

Me mataram enquanto eu copulava

Me mataramcom inseticida por trásMe mataram na saídaBem no escorrer do gozoMe jogaram dendo poçoMe pegaram pelo torsoMe mataramDe vingança ralei minha pançano chapisco da esperançaDe vingança cozinhei todas as criançasdaquela branca vizinhançaDe vingança pulei da...

ler mais

Pílula Boom

Apenas a prática do olhar poético poderiasalvar nossa pele do ressecamento causadopela fricção dolorida dos dias iguais.

ler mais

Poetas similares à Érica Magni:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade

Categorias