Categoria: Poemas

Envelhecendo

A Luís Murat Tomba às vezes meu ser. De tropeço a tropeço, Unidos, alma e corpo, ambos rolando vão. É o abismo e eu não sei se cresço ou se decresço, À proporção do mal, do bem à proporção. Sobe às vezes meu ser. De arremesso a...

consulte Mais informação

A Chegada

Noite de chuva tétrica e pressaga. Da natureza ao íntimo recesso Gritos de augúrio vão, praga por praga, Cortando a treva e o matagal espesso. Montes e vales, que a torrente alaga, Venço e à alimária o incerto passo apresso. Da...

consulte Mais informação

Germinal

Passou. A vida é assim: é o temporal que chega, Ruge, esbraveja e passa, ecoando, serra a serra, No furioso raivar da indômita refrega Que as montanhas abala e os troncos desenterra. Mas o pranto, afinal, que essa cólera encerra...

consulte Mais informação

Cogito, ergo sum

Pensa não fala! aposta na tua existência Falando… podes quebrar da vida o encanto fazer do inferno um teu canto e inglória a folia alheia Continua pensando segue o exemplo do Vivêncio filho de Prudêncio jamais a sua voz se...

consulte Mais informação

As minhas Lágrimas

As lágrimas escapuliram esboçaram no chão do meu rosto um fio de mágoa profunda queimando bem fundo Nenhum grito… nenhum gemido… palavra nenhuma letra alguma jamais traduziu tanto sofrer os olhos sentiram a minha...

consulte Mais informação

Ode à Alegria

Ó, amigos, mudemos de tom! Entoemos algo mais prazeroso E mais alegre! Alegria, formosa centelha divina, Filha do Elíseo, Ébrios de fogo entramos Em teu santuário celeste! Tua magia volta a unir O que o costume rigorosamente...

consulte Mais informação

A Árvore Boa

E a árvore grande lastimava-se, triste: – Por que só dou frutos bons? Passarinhos cantam em meus galhos acolhedores, tenho uma copa amiga para todos os animais; sou boa. – Por que sou mansa? Os que vêem dizem que sou...

consulte Mais informação

Canção do Afogado

Nos olhos de cera dois pingos de vida, nas marcas de vida a noite pisou. A face tranquila bordada de sombras – são restos de estrelas que o céu apagou. Os dedos lilases não pedem mais sol; e os lábios desfeitos perderam seus...

consulte Mais informação

Elegia

Não retornei aos caminhos que me trouxeram do mar. Sinto-me brancos desertos onde as dunas me abrasando tarjam meus olhos de sal dum pranto nunca chorado, dum terror que nunca vi. Vivo hoje areias ardentes sonhando praias...

consulte Mais informação

História

Não é minha esta casa, aí entrarei no entanto. Quebrarei o portão, marcharei entre as flores, Encherei meu pulmão com os estranhos odores Do jardim adubado a sêmen, sangue e pranto. Porei a porta abaixo, enfrentarei o espanto...

consulte Mais informação

Constatação

Corrente de amanhãs, vício de auroras. Outro dia, outro dia, outro, por quê? Agoras a exigir outros agoras, Barco sem mapa, cais que não se vê. No alto, a bandeira rota, e o lema: até. Tudo incompleto. As horas, mães das horas,...

consulte Mais informação

Ser Tão Mar

a reza pela viagem que me preza a certa seta que trilha e acerta o percurso e a meta o receio de sertão não me descreva a treva no coração nunca se atreva [ ser tão mar a transversar águas precisas através do impreciso...

consulte Mais informação

Ressurreição

Algo morre em mim todos os dias; a hora que se afasta me arrebata, do tempo e da silenciosa catarata, saúde, amor, sonhos e alegrias. Ao evocar as minhas ilusões, penso: “Eu não sou eu!” Por que, insensata, a mesma...

consulte Mais informação
Carregando

Publicidade

Categorias

0