Cruz e Sousa

por jul 16, 2018Poetas0 Comentários

João da Cruz e Sousa nasceu no dia 24 de novembro de 1861, em Nossa Senhora do Desterro, hoje Florianópolis, Santa Catarina. Filho de escravos alforriados – Guilherme da Cruz, mestre-pedreiro, e Carolina Eva da Conceição – se destacou como fervoroso conferencista pró-abolição. Com a alcunha de “Dante Negro” ou “Cisne Negro”, o poeta foi um dos percursores do Simbolismo no Brasil, sendo considerado um dos mais importantes representantes desse movimento literário na poesia ocidental.

Desde pequeno, Cruz e Sousa recebeu a tutela familiar do marechal Guilherme Xavier de Sousa, de quem herdou o sobrenome Sousa. Recebeu de seu pai adotivo uma educação refinada, aprendendo outras línguas (latim, francês e grego). Por conta disso, as obras poética do escritor é marcada pelo eruditismo, adornada por versos melodiosos, sensuais, uso constante de aliterações, além de uma obsessão pela cor branca, sempre mencionando a tonalidade como sinônimos de transparência, brilho e translucidez.

O poeta especializou-se em escrever sonetos que abordam temas intensos, românticos, trágicos e desesperados, típicos do parnasianismo. As influências simbolistas de Cruz e Sousa foram inspiradas pelas obras satanistas do poeta francês Charles Baudelaire, e também questões espiritualistas, principalmente pela filosofia budista.

Cruz e Souza foi no morar no Rio de Janeiro, onde casou-se com a poeta Gavita Rosa Gonçalves, em 1883. Teve grande dificuldades nesse período: sua esposa sofria de crises nervosas e seus filhos são acometidos pela tuberculose. Logo depois, a mesma doença atinge o poeta, que em 1898, precisa se mudar para a cidade de Sítio, em Minas Gerais, à procura de alívio para o mal.

Cruz e Sousa faleceu na cidade de Sítio, em Minas Gerais, no dia 14 de março de 1898. Na miséria, seu corpo foi transladado para o Rio de Janeiro, num vagão de transporte de animais.

Poemas de Cruz e Sousa:

Escárnio Perfumado

Quando no enleio De receber umas notícias tuas, Vou-me ao correio, Que é lá no fim da mais cruel das ruas, Vendo tão fartas, D’uma fartura que ninguém colige, As mãos dos outros, de jornais e cartas E as minhas, nuas – isso dói, me aflige… E em tom de mofa, Julgo que...

ler mais

Velho

Estás morto, estás velho, estás cansado! Como um suco de lágrimas pungidas Ei-las, as rugas, as indefinidas Noites do ser vencido e fatigado. Envolve-te o crepúsculo gelado Que vai soturno amortalhando as vidas Ante o repouso em músicas gemidas No fundo coração...

ler mais

Livre

Livre! Ser livre da matéria escrava, arrancar os grilhões que nos flagelam e livre penetrar nos Dons que selam a alma e lhe emprestam toda a etérea lava. Livre da humana, da terrestre bava dos corações daninhos que regelam, quando os nossos sentidos se rebelam contra...

ler mais

Acrobata da Dor

Gargalha, ri, num riso de tormenta, como um palhaço, que desengonçado, nervoso, ri, num riso absurdo, inflado de uma ironia e de uma dor violenta. Da gargalhada atroz, sanguinolenta, agita os guizos, e convulsionado salta, gavroche, salta clown, varado pelo estertor...

ler mais

Poetas similares a Cruz e Sousa

  • Machado de Assis
  • Álvares de Azevedo
  • Castro Alves
  • Fagundes Varela

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade

Categorias