Miguel de Cervantes

por maio 2, 2019Poetas0 Comentários

Miguel de Cervantes Saavedra, embora tenha a data de nascimento desconhecida, supõe-se ter nascido em 29 de setembro de 1547, em Alcalá de Henares, na Espanha. Um dos mais importantes nomes da literatura mundial de todos os tempos, tem como obra-prima, o clássico  “Dom Quixote de La Mancha”, considerado o primeiro romance moderno da literatura ocidental. Sua influência é tão grande que a língua castelhana é frequentemente denominada de “A Língua de Cervantes”.

Apesar de ser conhecido mais por seus romances e novelas teatrais, a poesia foi a primeira grande influência literária de Cervantes. Morando em Madrid, a partir de 1566, publicou quatro poesias de boa repercussão na capital. No entanto, em 1569, após um  duelo no qual teria ferido um homem (de nome Antonio Sigura), precisou deixar o país e foi morar em Roma, na Itália.

Alistou-se e participou da batalha naval de Lepanto, contra os turcos, em 1571. Ferido em combate – lesões na mão e no peito –  teve a mão esquerda inutilizada, que lhe valeu, posteriormente, o apelido de “Manco de Lepanto”. Participou ainda do combate naval de Navarino, da expedição contra Túnis e da malograda expedição a Goleta, em 1574. Serviu depois nas guarnições de Palermo e Nápoles.

Em 1575, quando regressava para a Espanha,  o navio em que viajava foi atacado por piratas mouros. Cervantes foi levado para Argel (atualmente Argélia) e feito escravo de Dali Mami. Até 1580 permaneceu na cidade dando aulas e escrevendo poemas religiosos.

Em 1605, Cervantes publica a primeira parte de “Dom Quixote”, terminando apenas 10 anos mais tarde, em 1615. Em relação à poesia, o autor costumava expressar seus poemas juntando-os em novelas teatrais, como “La Galateia” (1585), “Los Tratos de Argel” (1585), “La Mumancia” (1585) e “Oito Comédias e Oito Entremezes” ( 1615).

Miguel de Cervantes morreu no dia 22 de abril de 1616, em Madrid, na Espanha. Em 2011, um grupo de investigadores históricos e arqueólogos iniciaram busca pelos ossos do autor na igreja conventual das Trinitarias em Madrid. Essa iniciativa permitiria reconstruir o rosto do escritor, conhecido até hoje apenas por uma pintura do artista Juan de Jauregui. A descoberta ainda ajudaria a determinar as causas da morte de Cervantes, que se acredita que tenha morrido de cirrose.

Poemas de Miguel de Cervantes:

Pra Ti me Volto, Alto Senhor

Pra Ti me volto, alto Senhor, que alçaste,à custa do teu sangue e tua vida,a mísera de Adão inicial caída,e, onde ele nos perdeu, nos recup’raste. A Ti, Pastor bendito, que buscastedas cem ovelhazinhas a perdidae, achando-a plo lobo perseguida,sobre teus ombros santos...

ler mais

Quem deixará, do Verde Prado Umbroso

Quem deixará, do verde prado umbroso,as frescas ervas e as lustrais nascentes?Quem, de seguir com passos diligentesa solta lebre, o javali cerdoso? Quem, com o canto amigo e sonoroso,não prenderá as aves inocentes?Quem, nas horas da sesta, horas ardentes,não buscará...

ler mais

A Ciganinha

Quando Preciosa a pandeireta toca,e fere o doce som os ares vãos,pérolas são que espalha com suas mãos,flores são que arremessa de sua boca. A alma fica suspensa, a mente loucaaos atos sobrehumanos sem ação,que por limpos, honestos e por sãossua fama lá no céu mais...

ler mais

Soneto-Oração

A Ti recorro, grão Senhor, que alçaste,à custa de teu sangue e tua vida,a mísera de Adão primeira caída,e onde ele nos perdeu, lá nos cobraste; a Ti, Pastor bendito, que buscastedentre as cem ovelhinhas a perdida,e, encontrando-a do lobo perseguida,sobre os teus...

ler mais

Poetas similares a Miguel de Cervantes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade

Categorias