Cesário Verde

por dez 6, 2018Poetas0 Comentários

José Joaquim Cesário Verde nasceu no dia 25 de fevereiro de 1855, em Lisboa, Portugal. Considerado um dos percursores da poesia portuguesa do século XX, empregou técnicas impressionistas aos seus versos para retratar dicotomias entre a vida na cidade o no campo, seus cenários prediletos. Essas inovações estéticas para retratar realidades cotidianas o fizeram ser por muitas vezes “incompreendido” e comparado ao poeta francês Charles Baudelaire.

Com um estilo delicado, a forma de escrita de Cesário Verde evitava o lirismo tradicional, expressando-se de uma forma mais natural. Sua fonte de inspiração é a terra-mãe, por isso, habitualmente, teve suas obras associadas ao “mito de Anteu”. A supremacia exercida pela cidade sobre o campo era constantemente comparada pelo poeta, mas ao contrário de outros escritores portugueses, não observava o campo com o costumeiro aspecto idílico, paradisíaco e bucólico dos devaneios poéticos, mas sim um espaço real, concreto, autêntico, formado por pessoas livres e com hábitos próprios.

Cesário Verde morreu aos 31 anos, em 19 de julho de 1886, em Lumiar, Portugal.

Poemas de Cesário Verde:

Eu e Ela

Cobertos de folhagem, na verdura, O teu braço ao redor do meu pescoço, O teu fato sem ter um só destroço, O meu braço apertando-te a cintura; Num mimoso jardim, ó pomba mansa, Sobre um banco de mármore assentados. Na sombra dos arbustos, que abraçados, Beijarão...

ler mais

Contrariedades

Eu hoje estou cruel, frenético, exigente; Nem posso tolerar os livros mais bizarros. Incrível! Já fumei três maços de cigarros Consecutivamente. Dói-me a cabeça. Abafo uns desesperos mudos: Tanta depravação nos usos, nos costumes! Amo, insensatamente, os ácidos, os...

ler mais

Impossível

Nós podemos viver alegremente, Sem que venham com fórmulas legais, Unir as nossas mãos, eternamente, As mãos sacerdotais. Eu posso ver os ombros teus desnudos, Palpá-los, contemplar-lhes a brancura, E até beijar teus olhos tão ramudos, Cor de azeitona escura. Eu...

ler mais

Num Bairro Moderno

Dez horas da manhã; os transparentes Matizam uma casa apalaçada; Pelos jardins estancam-se as nascentes, E fere a vista, com brancuras quentes, A larga rua macadamizada. Rez-de-chaussée repousam sossegados, Abriram-se, nalguns, as persianas, E dum ou doutro, em...

ler mais

Manias

O mundo é velha cena ensanguentada. Coberta de remendos, picaresca; A vida é chula farsa assobiada, Ou selvagem tragédia romanesca. Eu sei um bom rapaz, - hoje uma ossada -, Que amava certa dama pedantesca, Perversíssima, esquálida e chagada, Mas cheia de jactância,...

ler mais

Heroísmos

Eu temo muito o mar, o mar enorme, Solene, enraivecido, turbulento, Erguido em vagalhões, rugindo ao vento; O mar sublime, o mar que nunca dorme. Eu temo o largo mar, rebelde, informe, De vítimas famélico, sedento, E creio ouvir em cada seu lamento Os ruídos dum...

ler mais

Poetas similares a Cesário Verde

Trackbacks / Pingbacks

  1. Alberto Caeiro » Recanto do Poeta - […] nas obras de Cesário Verde, Caeiro usava versos livres, sem rimas, sempre optando por uma linguagem simples e familiar.…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade

Categorias