Angélica Freitas

Poetas

Angélica Freitas nasceu no dia 8 de abril de 1973, em Pelotas, Rio Grande do Sul. Poeta e tradutora, tornou-se, dentro e fora do país, uma referência literária em temas como o feminismo e críticas sociais.

Angélica Freitas ganhou destaque a partir de 2006, quando teve alguns de seus poemas reunidos em uma antologia de poesia brasileira contemporânea publicada na Argentina, organizada pelo crítico Cristian De Nápoli. Nesse período passou a participar ativamente de saraus e leituras públicas em São Paulo, na Casa das Rosas, e no Festival de Poesia Latino-americana de Buenos Aires.

Sua primeira coletânea de poemas, o volume “Rilke Shake”, foi publicada em 2007. Repleto de referências literárias, como Rainer Maria Rilke, Jorge Luis Borges e Ezra Pound, Angélica apresentou poemas críticos, sarcásticos e nonsense. Seus poemas foram traduzidos e publicados na Espanha, México, Estados Unidos, Alemanha e França.

Em 2008, Angélica Freitas esteve entre os autores brasileiros convidados para o Festival de Poesia de Berlim (Poesiefestival Berlin), na Alemanha, que dedicou o ano à língua portuguesa. Em 2012 seu livro “um útero é do tamanho de um punho” alcançou grande sucesso de crítica, sendo finalista em 2013 no Prêmio “Portugal Telecom”.

Atualmente, Angélica Freitas é coeditora, com os poetas Fabiano Calixto, Marília Garcia e Ricardo Domeneck, da revista de poesia Modo de Usar & Co., para a qual traduziu poetisas hispano-americanas.

Poemas de Angélica Freitas:

mulher de um homem só

lá vem a mulher de um homem só só pela rua deserta em sua bicicleta sem bagageiro está passando a mulher de um homem só só pela rua deserta em sua bicicleta sem bagageiro acabou de passar a mulher de um homem só só pela rua deserta em sua bicicleta se bagageiro...

ler mais

a mulher é uma construção

a mulher é uma construção deve ser a mulher basicamente é pra ser um conjunto habitacional tudo igual tudo rebocado só muda a cor particularmente sou uma mulher de tijolos à vista nas reuniões sociais tendo a ser a mais malvestida digo que sou jornalista a mulher é...

ler mais

Família Vende Tudo

família vende tudoum avó com milito usoum limoeiroum cachorro cego de um olhofamília vende tudopor bem pouco dinheiroum sofá de três lugarestrês molduras circularesfamília vende tudoum pai engravatadodepois desempregadoe uma mãe cada. vez mais gordado seu ladofamília...

ler mais

Poetas similares à Angélica Freitas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade

Categorias