Mário Cesariny

Poetas

Mário Cesariny de Vasconcelos nasceu no dia 9 de Agosto de 1923, em Lisboa, Portugal. Poeta e pintor, é considerado o principal representante do surrealismo português. Sempre muito polêmico e incansável militante contra a política portuguesa da época, também foi antologista, compilador e historiador das atividades artísticas de seu país.

Durante a adolescência, Mário Cesariny já frequentava tertúlias nos cafés de Lisboa, junto com seus melhores amigos. Nesses encontros, descobriu o neo-realismo e, depois, o surrealismo que viviam em efervescência na Europa. Querendo saber mais desse movimento, ele viaja para Paris em 1947, onde frequenta a “Académie de la Grande Chaumière”, como bolsista.

Nesse período, Cesariny conhece André Breton, grande nome da poesia surrealista francesa. É encorajado por Breton, a voltar para Portugal para criar o “Grupo Surrealista de Lisboa”, tendo a seu lado figuras como António Pedro, José Augusto França, Cândido Costa Pinto, Vespeira, João Moniz Pereira e Alexandre O´Neill. O grupo, que se reunia na Pastelaria Mexicana, surgiu como forma de protesto libertário contra o movimento do neo-realismo, dominado pelo Partido Comunista Português, ao mesmo tempo que também não alinhava com o regime salazarista. Mais tarde, no final da década de 40, Cesariny funda o antigrupo (dissidente) “Os Surrealistas”, sendo seguido por António Maria Lisboa, Risques Pereira, Artur do Cruzeiro Seixas, Pedro Oom, Fernando José Francisco e Mário-Henrique Leiria.

Na década de 1950, Cesariny dedica-se à pintura e à poesia. Suas obras literárias abordam inquietas contestações. Fazia enumerações caóticas, com uso sistemático da ironia, humor negro, paródias, aliterações, trocadilhos e jogos verbais, alcançando uma linguagem entre o equilíbrio do quotidiano e o que há de mais insólito.

A partir de 1980, a obra poética de Cesariny é reeditada pelo editor Manuel Hermínio Monteiro e redescoberta por uma nova geração de leitores. Em seus últimos anos de vida, desenvolveu novas reflexões sobre a transformação e a reabilitação do real quotidiano, da qual nasceram muitas colagens com pinturas, objetos, instalações e outras fantasias materiais. 

Mário Cesariny morreu no dia 26 de novembro de 2006, em Lisboa.

Poemas de Mário Cesariny:

Ao longo da Muralha

Ao longo da muralha que habitamos Há palavras de vida há palavras de morte Há palavras imensas,que esperam por nós E outras frágeis,que deixaram de esperar Há palavras acesas como barcos E há palavras homens,palavras que guardam O seu segredo e a sua posição Entre nós...

ler mais

Para os Lábios que o Homem Faz

Para os lábios que o homem faz que atraem beijos ao redor do mundo ficou na nossa memória em qualquer parte a qualquer hora um pedaço de pão Promessa que se cumpre que alimenta o mundo Olhos a exigir uma floresta

ler mais

Dorme Meu Filho

Dorme meu filho dezenas de mãos femininas trabalham a atmosfera onde os namorados pensam cartazes simples um por exemplo minúsculo crustáceo denominado ciclope por baixo da pele ou entre os músculos Dorme meu filho o amor será uma arma esquecida um pano qualquer como...

ler mais

Pastelaria

Afinal o que importa não é a literatura nem a crítica de arte nem a câmara escura Afinal o que importa não é bem o negócio nem o ter dinheiro ao lado de ter horas de ócio Afinal o que importa não é ser novo e galante - ele há tanta maneira de compor uma estante!...

ler mais

Lembra-te

Lembra-te que todos os momentos que nos coroaram todas as estradas radiosas que abrimos irão achando sem fim seu ansioso lugar seu botão de florir o horizonte e que dessa procura extenuante e precisa não teremos sinal senão o de saber que irá por onde fomos um para o...

ler mais

Em Todas as Ruas te Encontro

Em todas as ruas te encontro em todas as ruas te perco conheço tão bem o teu corpo sonhei tanto a tua figura que é de olhos fechados que eu ando a limitar a tua altura e bebo a água e sorvo o ar que te atravessou a cintura tanto tão perto tão real que o meu corpo se...

ler mais

Poetas similares a Mário Cesariny

Trackbacks / Pingbacks

  1. Miguel Torga » Recanto do Poeta - […] Mário Cesariny […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade

Categorias