Ivan Junqueira

Poetas

Ivan Nóbrega Junqueira nasceu no dia 3 de novembro de 1934, no Rio de Janeiro. Premiado escritor – ganhou o “Prêmio Jabuti” de 1995 – além de poeta, também exerceu as funções de crítico literário, tradutor e ensaísta. Eleito presidente da Academia Brasileira de Letras (ABL), entre os anos de 2003 e 2005, ocupou a Cadeira nº 37, patroneada pelo poeta inconfidente Tomás Antônio Gonzaga.

Com uma extensa obra poética, Ivan Junqueira publicou o seu primeiro livro de poesia,  intitulado “Os Mortos”, em 1964. Sempre preocupado com questões existenciais e humanistas, a maior parte dos seus versos abordam temas metafísicos que refletem, sobretudo, a vida e a morte. Por causa disso, chegou a ser conhecido como o “Poeta do Pensamento”. Teve grande parte dos seus livros traduzidos para outros idiomas (alemão, chinês, dinamarquês, espanhol, francês, inglês, italiano e russo), dando-lhe boa repercussão internacional.

Como tradutor, Ivan Junqueira foi responsável por traduzir as obras completas de T.S.Eliot, Marguerite Yourcenar, Marcel Proust, Dylan Thomas e Charles Baudelaire.

Ivan Junqueira faleceu no dia 3 de julho de 2014, aos 79 anos, no Rio de Janeiro.

Poemas de Ivan Junqueira:

Hoje

A sensação oca de que tudo acabou o pânico impresso na face dos nervos o solitário inverno da carne a lágrima, a doce lágrima impossível... e a chuva soluçando devagar sobre o esqueleto tortuoso das árvores

ler mais

Sagração dos Ossos

Considerai estes ossos — tíbios, inúteis, apócrifos — que sob a lápide dormem sem prédica que os conforte. Considerai: é o que sobra de quem lhes serviu de invólucro e agora já não se move entre as tábuas do sarcófago. Dormem sem túnica ou toga e, quando muito, um...

ler mais

Esse Punhado de Ossos

Esse punhado de ossos que, na areia, alveja e estala à luz do sol a pino moveu-se outrora, esguio e bailarino, como se move o sangue numa veia. Moveu-se em vão, talvez, porque o destino lhe foi hostil e, astuto, em sua teia bebeu-lhe o vinho e devorou-lhe à ceia o que...

ler mais

No Leito Fundo

No leito fundo em que descansas, em meio às larvas e aos livores, longe do mundo e dos terrores que te infundia o aço das lanças; longe dos reis e dos senhores que te esqueceram nas andanças, longe das taças e das danças, e dos feéricos rumores; longe das cálidas...

ler mais

Talvez o Vento Saiba

Talvez o vento saiba dos meus passos, das sendas que os meus pés já não abordam, das ondas cujas cristas não transbordam senão o sal que escorre dos meus braços. As sereias que ouvi não mais acordam à cálida pressão dos meus abraços, e o que a infância teceu entre...

ler mais

Tristeza

Esta noite eu durmo de tristeza. (O sono que eu tinha morreu ontem queimado pelo fogo de meu bem.) O que há em mim é só tristeza, uma tristeza úmida, que se infiltra pelas paredes de meu corpo e depois fica pingando devagar como lágrima de olho escondido. (Ali, no...

ler mais

Poetas similares a Ivan Junqueira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade

Categorias