Sylvia Plath

Poetas

Sylvia Plath nasceu no dia 27 de outubro de 1932, em Boston, nos Estados Unidos. Apesar de ter publicado apenas três livros, transformou-se em um ícone da literatura norte-americana, sendo creditada por dar continuidade ao gênero de poesia confessional, iniciado pelos poetas Robert Lowell e W. D. Snodgrass.

Desde criança, Sylvia Plath tinha o hábito de escrever seus pensamentos em diários. Seus textos e poemas já mostravam seu fascínio sobre a morte e pelos mundos espirituais. Apesar da visceralidade e do inconformismo, suas obras são caraterizadas pelo ocultismo, deixando sempre um ar inquieto e misterioso em relação a sua própria personalidade.

Em 1950, quando entrou na Smith College, Plath passou a intensificar a sua literatura. Durante o verão após seu terceiro ano na faculdade, ela trabalhou como editora convidada na revista “Mademoiselle” e morou por um mês em Nova Iorque. Esse período representou uma reviravolta em sua visão sobre si própria e sobre o mundo.

Obteve bolsa integral fullbright na Universidade de Cambridge, na Inglaterra, onde continuou a escrever poesia ativamente. No final de fevereiro de 1955, conheceu o jovem poeta britânico Ted Hughes, por quem se apaixonou imediatamente.  Casaram-se pouco mais de quatro meses depois, no dia 16 de junho de 1955.

Em 1960, Sylvia Plath ficou grávida pela primeira vez. O casal fixa-se na pequena cidade de North Tawton, em Devon. Durante a gestação, ela publica a primeira coletânea de poemas, chamada “The Colossus”. Em fevereiro de 1961, Plath sofre um aborto, que seria um dos seus temas principais, presente em grande número de poemas. O casamento de Plath com Ted Hughes começa a ter problemas, terminando após a descoberta de uma relação extra-conjugal de Hughes com Assia Wevill, em 1962.

Reconhecida principalmente por sua obra poética, Sylvia Plath escreveu também um romance semi-autobiográfico, “A Redoma de Vidro” (“The Bell Jar”), sob o pseudônimo Victoria Lucas, com detalhamentos do histórico de sua luta contra a depressão.

Em 11 de fevereiro de 1963, Plath decide dar fim a sua vida. Depois de ingerir uma grande quantidade de narcóticos, deitou a cabeça sobre uma toalha no interior do forno, com o gás ligado, morrendo passado pouco tempo. No dia seguinte, foi encontrada pela enfermeira que havia contratado.

Sylvia Plath morreu no dia 11 de fevereiro de 1963, Primrose Hill, Londres, Inglaterra. Em 1998, pouco antes de sua morte, Hughes liberou os manuscritos da poeta, para serem editados.

Poemas de Sylvia Plath:

Eu estou de Pé

Mas preferia estar deitada.Não sou uma árvore de raízes fincadasSugando minerais e amor maternalPara que a cada março eu resplandeça em folhas,Nem sou a flor mais bela dos canteirosDelicados, atraindo meu quinhão de “Ais”Antes do iminente despetalar.Comparadas a mim,...

ler mais

Lady Lazarus

Tentei outra vez.Um ano em cada dezEu dou um jeito —Um tipo de milagre ambulante, minha peleBrilha feito abajur nazista,Meu pé direito Peso de papel,Meu rosto inexpressivo, finoLinho judeu. Dispa o panoOh, meu inimigo.Eu te aterrorizo? — O nariz, as covas dos olhos, a...

ler mais

Canção da Manhã

O amor faz você funcionar como redondo relógio de ouro.A parteira bateu em seus pés, e seu grito nuTomou lugar entre os elementos. Nossas vozes ecoam, exaltando sua chegada. Estátua novaNum museu arejado, sua nudezAssombra nossa segurança. Ficamos ao redor, brancos...

ler mais

Poetas similares à Sylvia Plath

Trackbacks / Pingbacks

  1. Anne Sexton » Recanto do Poeta - […] Lowell (um dos precursores da chamada poesia confessional), George Starbuck, Maxine Kuminand e Sylvia Plath. Anne passa por uma…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade

Categorias