Emily Dickinson

Emily Dickinson

Poetas

Emily Elizabeth Dickinson nasceu no dia 10 de dezembro de 1830, em Amherst, Massachusetts, nos Estados Unidos. Considerada uma das maiores poetas americanas da história, ela é vista como uma mulher singular e vanguardista, abordando vários aspectos do Modernismo em suas obras. Seus versos concisos, mas de incrível profundidade e abrangência, construiu-se acerca de uma personalidade solitária e, por muitas vezes, enigmática, que até hoje causa grande curiosidade sobre a vida da autora.

Apesar de escrever muito, Emily Dickinson não tinha o hábito de mostrar os seus poemas (publicou cerca de 10 em toda a vida). Praticamente toda a sua obra – estima-se quase mil poesias – foi apresentada após a sua morte. Esse jeito misterioso de ser não permite maiores conhecimentos sobre o cotidiano da autora, contudo, observando seus textos, entende-se que a poeta tinha uma linguagem própria para se expressar.

A lírica poética de Dickinson é um vendaval de paradoxos, sem métricas estabelecidas e rimas flexíveis.  As questões existencialistas, vida e morte, cotidiano, a natureza e a fé em Deus, são os temas mais abordados na literatura de Dickinson.

Emily Dickinson faleceu no dia 15 de maio de 1886, aos 55 anos de idade.

Poemas de Emily Dickinson:

Não sou Ninguém! Quem é Você?

Não sou Ninguém! Quem é você? Ninguém — Também? Então somos um par? Não conte! Podem espalhar! Que triste — ser— Alguém! Que pública — a Fama — Dizer seu nome — como a Rã — Para as almas da Lama!

ler mais

Se Recordar fosse Esquecer

Se recordar fosse esquecer, Eu não me lembraria. Se esquecer, recordar, Eu logo esqueceria. Se quem perde é feliz E contente é quem chora, Que alegres são os dedos Que colhem isto, Agora!

ler mais

Uma Palavra se Abre

Uma palavra se abre Como um sabre — Pode ferir homens armados Com sílabas de farpa Depois se cala — Mas onde ela caiu Quem se salvou dirá No dia de desfile Que algum Irmão de armas Parou de respirar. Aonde vá o sol sem ar — Por onde vague o dia — Lá está esse assalto...

ler mais

A uma Luz Evanescente

A uma luz evanescente Vemos mais agudamente Que à da candeia que fica. Algo há na fuga silente Que aclara a vista da gente E aos raios afia

ler mais

Ter Medo? De quem terei?

Ter Medo? De quem terei? Não da Morte – quem é ela? O Porteiro de meu Pai Igualmente me atropela. Da Vida? Seria cómico Temer coisa que me inclui Em uma ou mais existências – Conforme Deus estatui. De ressuscitar? O Oriente Tem medo do Madrugar Com sua fronte subtil?...

ler mais

Poetas similares à Emily Dickinson

Trackbacks / Pingbacks

  1. Walt Whitman » Recanto do Poeta - […] Emily Dickinson […]
  2. Sylvia Plath » Recanto do Poeta - […] Emily Dickinson […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade

Categorias