Thiago de Mello

Poetas

Amadeu Thiago de Mello nasceu no dia 30 de março de 1926, em Barreirinhas, Amazonas. Poeta, ensaísta e tradutor, é considerado um dos escritores mais influentes do país, reconhecido internacionalmente como um ícone da literatura regional brasileira. Tem obras traduzidas para mais de trinta idiomas e seus poemas abordam o lirismo, as relações familiares e amorosas, além de grande viés político e de luta social.

Seu poema mais conhecido é “Os Estatutos do Homem”, onde o poeta mostra toda a sua indignação contra o arbítrio, apresentando alguns dos valores mais simples da natureza humana. Preso durante a ditadura, exilou-se no Chile, tornando-se muito amigo de Pablo Neruda .

Durante o período em Santiago, um traduziu a obra do outro e Neruda escreveu ensaios sobre Thiago. Em 1975, ainda em meio ao regime militar, foi premiado pela Associação Paulista dos Críticos de Arte, por causa do seu livro “Poesia Comprometida com a Minha e a Tua Vida”. A partir daí, tornou-se conhecido internacionalmente como um intelectual engajado na luta pelos Direitos Humanos.

Além do Chile, durante o exílio, o poeta morou na Argentina, em Portugal, na França e na Alemanha. Voltou ao Brasil em 1978, para sua cidade natal, Barreirinha, onde vive até hoje à beira do rio Andirá.

Poemas de Thiago de Mello:

Faz Escuro mas Eu Canto

Faz escuro mas eu canto, porque a manhã vai chegar. Vem ver comigo, companheiro, a cor do mundo mudar. Vale a pena não dormir para esperar a cor do mundo mudar. Já é madrugada, vem o sol, quero alegria, que é para esquecer o que eu sofria. Quem sofre fica acordado...

ler mais

O Pão de cada Dia

Que o pão encontre na boca o abraço de uma canção construída no trabalho. Não a fome fatigada de um suor que corre em vão. Que o pão do dia não chegue sabendo a travo de luta e a troféu de humilhação. Que seja a bênção da flor festivamente colhida por quem deu ajuda...

ler mais

Quando a Verdade for Flama

As colunas da injustiça sei que só vão desabar quando o meu povo, sabendo que existe, souber achar dentro da vida o caminho que leva à libertação. Vai tardar, mas saberá que esse caminho começa na dor que acende uma estrela no centro da servidão. De quem já sabe, o...

ler mais

Para os que Virão

Como sei pouco, e sou pouco, faço o pouco que me cabe me dando inteiro. Sabendo que não vou ver o homem que quero ser. Já sofri o suficiente para não enganar a ninguém: principalmente aos que sofrem na própria vida, a garra da opressão, e nem sabem. Não tenho o sol...

ler mais

Mormaço de Primavera

Entre chuva e chuva, o mormaço. A luz que nos entrega o dia não dá ainda para distinguir o sujo do encardido, o fugaz, do provisório. A própria luz é molhada. De tão baça, não me deixa sequer enxergar o fundo dos olhos claros da mulher amada. Mas é com esta luz mesmo,...

ler mais

Os Estatutos do Homem

(Ato Institucional Permanente) A Carlos Heitor Cony Artigo I Fica decretado que agora vale a verdade. agora vale a vida, e de mãos dadas, marcharemos todos pela vida verdadeira. Artigo II Fica decretado que todos os dias da semana, inclusive as terças-feiras mais...

ler mais

Poetas similares a Thiago de Mello

  • Mário de Andrade
  • Carlos Drummond de Andrade
  • Ferreira Gullar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade

Categorias