Julio Flórez

Julio Flórez

Julio Flórez

Poetas

Julio Flórez Roa nasceu no dia 22 de maio de 1867, em Chiquinquirá, Boyacá, na Colômbia. Um dos mais populares poetas de seu país, é considerado o último representante do Romantismo na literatura colombiana. Muito inspirado nas obras de Victor Hugo, alguns de seus poemas mais conhecidos tornaram-se clássicos declamados até hoje.

Mesmo fazendo parte de um período importante de transição de movimentos poéticos de seu país, onde as vanguardas promoviam o aparecimento de novas tendências e movimentos modernistas, Julio Flórez manteve-se à predileção das formas clássicas de escrita. Suas obras primam pela estética, lirismo e extrema sensibilidade, muitas vezes dramáticas.

Dono de uma personalidade boemia e desbravadora, frequentou em Bogotá a “Gruta Simbólica”, local onde reuniam-se os principais artistas da época. Esse grupo discutia as implicações dos movimentos modernistas na literatura colombiana.

Julio Flórez ultrapassou os limites de seu país, atingindo renome na poesia hispana-americana. Passou algum tempo em Caracas, na Venezuela e no México, onde foi declarado “cidadão de honra”. Morou também na Espanha, especialmente em Madrid, onde publicou nove livros. Antes de falecer, foi coroado “poeta nacional”, na Colômbia.

Após sua morte, foram encontrados 120 poemas, publicados em diferentes jornais e revistas literárias nacionais e internacionais, além de um poema inédito, um manuscrito, intitulado “Meu Amor!”, que está entregue à Casa Museu de Usiacurí.

Julio Flórez faleceu no dia 7 de fevereiro de 1923, em Usiacurí, Atlântico, na Colômbia.

Poemas de Julio Flórez:

Ressurreição

Algo morre em mim todos os dias; a hora que se afasta me arrebata, do tempo e da silenciosa catarata, saúde, amor, sonhos e alegrias. Ao evocar as minhas ilusões, penso: "Eu não sou eu!" Por que, insensata, a mesma vida com seu golpe mata meu antigo eu, depois de...

ler mais

O Bogotano

Correto no vestir; por seu semblante nunca passa uma sombra de sofrer insano; assim vai pelas ruas o bogotano, sempre fino e alegre, sempre elegante. Entre amigos e damas ostenta o reluzente engenho, que esbanja cortês retidão; e como é um modelo de cortesão, amas......

ler mais

Poetas similares a Júlio Florez

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade

Categorias

0