César Vallejo

César Vallejo

César Vallejo

Poetas

César Abraham Vallejo Mendoza nasceu no dia 16 de março de 1892, em Santiago de Chuco, Peru. Considerado um dos maiores poetas hispano-americanos do século XX, inclusive por nomes como Pablo Neruda e Mario Benedetti, tinha tendências vanguardistas que influenciaram muitos autores brasileiros, como Manoel de Barros  e Guimarães Rosa, bem como o poeta norte-americano e. e. cummings.

Chamado pelo escritor uruguaio Eduardo Galeano de “o poeta dos vencidos”, a vida de César Vallejo foi marcada por muita pobreza, desamparo e perseguições, principalmente por causa de sua militância política. Em 1915, forma-se professor em Trujillo, mas precisa se mudar para Lima por causa de problemas amorosos. Vivendo na capital, conhece o poeta anarquista Manuel González Prada que o ajuda a publicar o seu primeiro livro, “Los Heraldos Negros”, em 1919.

Em visita a sua cidade natal, em 1920, César Vallejo é preso após uma confusão na qual uma autoridade sofreu um disparo, quando executava um trabalho para o sub-prefeito local. Injustamente acusado de “líder intelectual da ação”, ficou três meses na prisão. Sob liberdade condicional, volta para Lima e, em 1922, publica o livro vanguardista de poemas “Trilce”, escritos durante o período em cárcere. Essa obra teve uma tiragem de apenas 200 exemplares, pagas integralmente pelo poeta, com um custo maior do que o preço de venda.

Com medo de voltar a ser preso, em 1923, decide mudar para Paris. No entanto, os primeiros anos na capital francesa foram problemáticos: sem trabalho, vivendo em locais insalubres e mal tendo o que comer. Somente três anos depois consegue um emprego, em uma gráfica, que o estabelece na cidade. Nesse período começa a frequentar a boemia parisiense e passa a conhecer artistas importantes como Antonin Artaud, Jean Cocteau e Pablo Picasso, que desenhou um famoso retrato do poeta.

A obra poética de César Vallejo é considerada essencial para a literatura universal do século XX, tanto que o monje trapista, poeta e pensador, Thomas Merton, considerou-o “o mais importante poeta universal depois de Dante”.  Autor de uma poesia profundamente complexa, seus poemas ganham abrangências que partem do modernismo hispano-americano, com tendência a um certo simbolismo, até rápidas transições sintáticas usadas na língua oral, marcadas pela inovação, neologismos, tipografismos e coloquialismos, que romperam definitivamente com os cânones da sintaxe tradicional, do léxico e da gramática.

César Vallejo faleceu no dia 15 de abril de 1938, em Paris, na França. No Peru, em 1996, foi fundado um clube de futebol em sua homenagem, o “Universidad César Vallejo”, onde os jogadores e torcedores são apelidados de “os Poetas”.

 

Poemas de César Vallejo:

Poema para Ser Lido e Cantado

Sei que há uma pessoa que, dia e noite, me busca em sua mão, encontrando-me, a cada minuto, em seu calçado. Ignora que a noite está enterrada atrás da cozinha com esporas? Sei que há uma pessoa composta de minhas partes, que eu completo sempre que o meu vulto cavalga...

ler mais

Os Anéis Fatigados

Há ânsias de voltar, de amar, de não ausentar-se, e há ânsias de morrer, combatido por duas águas unidas que jamais hão-de istmar-se. Há ânsias de um beijo enorme que amortalhe a Vida, que acaba na áfrica de uma agonia ardente, suicida! Há ânsias de… não ter ânsias,...

ler mais

Poetas similares a César Vallejo

Trackbacks / Pingbacks

  1. Julio Flórez » Recanto do Poeta - […] César Vallejo […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade

Categorias

0