Oscar Wilde

Poetas

Oscar Fingal O’Flahertie Wills Wilde nasceu no dia 16 de outubro de 1854, em Dublin, na Irlanda. Um dos mais importantes personagens da literatura inglesa de todos os tempos, ficou conhecido por frases sarcásticas e ironias. Sua obra-prima é “O Retrato de Dorian Gray”, romance publicado em 1891.

Filho do médico Willian Wilde e da escritora Jane Francesca Elgee, defensora do movimento para independência irlandesa, Oscar Wilde cresceu em meio a intelectuais e artistas da época. Começou a apresentar seus primeiros poemas enquanto estudava na Magdalen College de Oxford, entre os anos de 1874 4 1878. Nesse período, recebeu o prêmio Newdigate de poesia com o poema “Revenna”

Nessa época, lançou os fundamentos do culto estético (A Arte Pela Arte), que posteriormente chamou de “Dandismo”, baseado na ideia de que a vida deveria ser norteada pelas preocupações artísticas como forma de enfrentamento dos problemas do mundo moderno. Visava transformar o tradicionalismo da “Época Vitoriana”, levando um tom de vanguarda às artes.

Depois de formado, Wilde passou a morar em Londres, onde levava uma vida extravagante e anarquista, um verdadeiro “dândi”. Em 1881, publicou o livro “Poemas”, onde reuniu suas primeiras poesias publicadas em vários periódicos e revistas ainda na época da faculdade.

Em 1883 vai para Paris onde faz amizade com Paul Verlaine e outros escritores, o que o leva a abandonar seu movimento estético. Os anos mais produtivos de Oscar Wilde foram entre 1887 e 1895, quando publicou poemas, contos, novelas e dramaturgia

No dia 27 de maio de 1895, Oscar Wilde foi condenado a dois anos de prisão e trabalhos forçados por atentado ao pudor. Os elevados custos do processo o levaram à falência. Wilde viu sua fama desmoronar, seus livros foram recolhidos e suas comédias retiradas de cartaz.

Na prisão, Wilde escreveu “A Balada do Cárcere de Reading” e “De Profundis” (1905), uma longa carta ao Lord Douglas, o causador de toda sua desgraça. Libertado no dia 19 de maio de 1897, foi morar em Paris, passando a usar o pseudônimo de “Sebastian Melmoth”. Passou o resto de seus dias morando em hotéis baratos e se embriagando.

Oscar Wilde morreu no dia 30 de novembro de 1900, em Paris, na França.

Poemas de Oscar Wilde:

Loucos e Santos

Escolho meus amigos não pela pele ou outro arquétipo qualquer, mas pela pupila.Tem que ter brilho questionador e tonalidade inquietante.A mim não interessam os bons de espírito nem os maus de hábitos.Fico com aqueles que fazem de mim louco e santo.Deles não quero...

ler mais

À minha Esposa

Prefácio altivo não me sairá da penacomo prelúdio ao que te deixo;de um poeta a um poema,ouso dizer por fecho. E se de tais pétalas cadentesum verso ainda te for belo,leve sopro de Amor fará que assenteem teus cabelos. E quando vento e inverno enfimferirem toda a...

ler mais

Soneto à Liberdade

Não que eu ame teus filhos cujo olhar obtusoSomente vê a própria e repugnante dor,Cuja mente não sabe, ou quer saber, de nadaÉ que, com seu rugir, tuas Democracias,Teus reinos de Terror e grandes AnarquiasRefletem meus afãs extremos como o mar,Dando-me Liberdade! - à...

ler mais

Flor de Amor

Não te culpo, amor, foi por culpa minha, que se não fora feito de barro vulgarEu escalava aos penhascos por pisar, e ao mais largo dia, ao mais puro ar. Do centro louco da paixão defunta, eu tocava a mais melódica cantiga,Acendia a luz mais clara, mais livre...

ler mais

Sinfonia em Amarelo

Como amarela borboletaCruza a ponte a diligência;Um transeunte, intermitente,Surge tal mosca inquieta. Contra o molhe se arremessamAs lanchas de feno amarelo,E a bruma vela o cais, um seloOu lenço amarelo de seda. Amarelas, folhas fanadasCaem dos olmos de...

ler mais

Poetas similares a Oscar Wilde

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade

Categorias