Pagu

Poetas

Patrícia Rehder Galvão, mais conhecida pelo apelido “Pagu”, dado pelo poeta Raul Bopp, nasceu no dia 9 de junho de 1910, em São João da Boa Vista, São Paulo. Poeta, romancista e jornalista, fez parte do movimento modernista no país. Ativista política, também ficou conhecida por sua luta pela igualdade social e pelo feminismo. Foi casada com o poeta Oswald de Andrade, com quem teve o seu primeiro filho, Rudá.

Jovem, bonita e de família burguesa, Pagu, no entanto, sempre observou o mundo diferente de sua vida privilegiada. Diferente das mulheres de sua geração, ela não tinha medo de ousar: usava blusas transparentes, fumava na rua e dizia palavrões sem desvelo, causando desconforto à elite paulistana, mas também grande admiração, principalmente da classe artística da época.

Dessa forma, em 2028, com apenas 18 anos, conheceu Oswald de Andrade e Tarsila do Amaral, passando a integrar o movimento antropofágico, de cunho modernista. Após 2 anos casa-se com Oswald com quem inicia sua vida política, tornando-se militante do Partido Comunista.

Em 2030 particiou do incêndio do bairro do Cambuci, em São Paulo, em protesto contra o governo provisório. Também comandou uma greve de estivadores em Santos, sendo presa pela primeira vez, tornando-se a primeira mulher presa no Brasil por motivos políticos.

Em 1933, sob o pseudônimo de Mara Lobo, publica “Parque Industrial”. Essa obra é considerada o primeiro romance proletário brasileiro. Nesse período deixa Oswald e Rudá, para viajar o mundo como repórter. Morando na França, em 1935, filiou-se ao PC e acabou sendo presa como comunista estrangeira. Pega com identidade falsa, ia ser deportada para a Alemanha nazista, quando o embaixador brasileiro Souza Dantas conseguiu mandá-la de volta ao país.

De volta ao Brasil, seguiu ávida e sua militância e acabou novamente presa e torturada pelas forças da Ditadura, ficando na cadeia por cinco anos. Desligou-se do PCB em 1940, assim que saiu da prisão. Em 1945, casou-se com o jornalista Geraldo Ferraz, com quem teve o seu segundo filho, passando a viver em Santos.

Pagu morreu no dia 12 de dezembro de 1962, em decorrência de um câncer.  Em 2004, a catadora de papel Selma Morgana Sarti encontrou em um lixo uma grande quantidade de fotos e documentos da escritora. Estes fazem parte hoje do arquivo da UNICAMP.

Poemas de Pagu:

Hoje me Falaram em Virtude

Tudo muito rito, muito rígidoCom coisinhas assim mais ou menosSentimentais. Tranças faziam balançasNas grandes trepadeirasEstávamos todos por conta de. Nascinaturos espalhavam moedinhasEvidentemente estavam brincandoPois evidentemente, nos tempos atuaisQuem espalha...

ler mais

Fósforos de Segurança

Indústrias taisFatais.Isso veio hoje numa pequena caixaQue achei demasiado cretinaPorque além de toda essa históriaDe São Paulo — BrasilDava indicações do nome da fábrica.Que eu não vou dizer.Porque afinal o meu mister não é dizerNome de indústriaQue não gosto nem um...

ler mais

Canal

Nada mais sou que um canalSeria verde se fosse o casoMas estão mortas todas as esperançasSou um canalSabem vocês o que é ser um canal?Apenas um canal? Evidentemente um canal tem as suas nervurasAs suas nebulosidadesAs suas algasNereidazinhas verdes, às vezes...

ler mais

Nothing

Nada nada nadaNada mais do que nadaPorque vocês querem que exista apenas o nadaPois existe o só nadaUm pára-brisa partido uma perna quebradaO nadaFisionomias massacradasTipóias em meus amigosPortas arrombadasAbertas para o nadaUm choro de criançaUma lágrima de mulher...

ler mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade

Categorias