Raul Bopp

Poetas

Raul Bopp nasceu no dia 4 de agosto de 1898 , em Santa Maria, Rio Grande do Sul. Considerado um dos mais importantes poetas brasileiros da Primeira Geração do Modernismo, participou com destaque da Semana de Arte Moderna, de 1922. Sua principal obra, o livro “Cobra Norato” é tratada como uma das melhores realizações do Movimento Antropofágico. Por causa disso, recebeu o Prêmio Machado de Assis, em 1977.

Descendente de alemães, Raul Bopp sempre foi um apaixonado pela cultura brasileira. Em 1914, fez várias viagens pelo país para aprofundar conhecimentos e incorporar elementos da cultura indígena e do folclore nacional à sua literatura. Em 1920, percorreu a Amazônia, extraindo da natureza dessa região os motivos para a elaboração de uma futura obra. Nesse período, passou a integrou o grupo paulista do modernismo, de cujas correntes verde-amarelas (“Pau-Brasil”) e antropofágicas fez parte, ficando amigo de autores já bastante reconhecidos na época, como Oswald de Andrade, Jorge Amado e Carlos Drummond de Andrade.

Inspirado em sua ida à Amazônia, em 1931, Raul Bopp publica o poema narrativo “Cobra Norato”. A ideia inicial da obra era um livro para crianças, mas com uma estrutura épico-dramática, influenciada pelo cubismo europeu, logo tornou-se um documento de valor definitivo do Movimento Antropofágico. A história narra as aventuras de um jovem que estrangula a Cobra Norato na selva amazônica.

Raul Bopp faleceu aos 85 anos, no dia 2 de junho de 1984, na cidade do Rio de Janeiro.

Poemas de Raul Bopp:

Monjolo

Chorado do Bate-Pilão Fazenda velha. Noite e dia Bate-pilão. Negro passa a vida ouvindo Bate-pilão. Relógio triste o da fazenda. Bate-pilão. Negro deita. Negro acorda. Bate-pilão. Quebra-se a tarde. Ave-Maria. Bate-pilão. Chega a noite. Toda a noite Bate-pilão. Quando...

ler mais

Coco de Pagu

Pagu tem os olhos moles uns olhos de fazer doer. Bate-côco quando passa. Coração pega a bater. Eh Pagu eh! Dói porque é bom de fazer doer. Passa e me puxa com os olhos provocantissimamente. Mexe-mexe bamboleia pra mexer com toda a gente. Eli Pagu eh! Dói porque é bom...

ler mais

Cobra Norato

(fragmentos) I Um dia ainda eu hei de morar nas terras do Sem-Fim. Vou andando, caminhando, caminhando; me misturo rio ventre do mato, mordendo raízes. Depois faço puçanga de flor de tajá de lagoa e mando chamar a Cobra Norato. — Quero contar-te uma história: Vamos...

ler mais

Poetas similares a Raul Bopp

Trackbacks / Pingbacks

  1. Pagu » Recanto do Poeta - […] Rehder Galvão, mais conhecida pelo apelido “Pagu”, dado pelo poeta Raul Bopp, nasceu no dia 9 de junho de…
  2. Augusto Meyer » Recanto do Poeta - […] Alegre, Rio Grande do Sul. Um dos mais conceituados poetas brasileiros do século XX, ao lado de Raul Bopp…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade

Categorias