Percy Shelley

por maio 19, 2019Poetas0 Comentários

Percy Bysshe Shelley nasceu no dia 4 de agosto de 1792, em Horsham, na Inglaterra. Um dos principais poetas do romantismo inglês, ao lado de nomes como John Keats e Lord Byron, ganhou ainda mais fama e repercussão por ter sido marido da escritora Mary Shelley.

Desde a infância, Percy Shelley já demonstrava uma personalidade inquieta e questionadora. Era chamado pelos colegas da Eton College de “Shelley, o Louco” e “Shelley, o Ateu”. Influenciado pela “escola do terror”, principalmente pelo poeta William Wordsworth, seus primeiros poemas apresentavam uma visão ateísta e desaprovações do mundo, principalmente em relação às guerras e violências da humanidade.

A vida pouco convencional e forte rebeldia tornaram Percy Shelley um ídolo para as suas gerações mais próximas. Sua obra ganhou importância e passou a ser fonte de inspiração para poetas das eras vitorina e pré-rafaelita, tais como Robert Browning, Alfred Lord Tennyson, Henry David Thoreau, William Butler Yeats, e Edna St. Vincent Millay.

Sabe-se também que a resistência passiva de Mohandas Karamchand Gandhi também foi inspirada por poemas de Shelley. Inclusive, Gandhi frequentemente citava o poema “Masque of Anarchy”, considerado a primeira declaração moderna contra a violência e a favor da liberdade, escrito por Shelley em 1818, mas publicado apenas em 1832.

Em uma viagem de barco para a Itália, em 1822, Shelley, no trajeto de Pisa para Livorno, perdeu-se em uma tempestade. Após alguns dias, o seu corpo foi encontrado na praia perto da Via Reggio, tendo no bolso uma edição de Sófocles e o último volume de John Keats.

Percy Shelley morreu no dia 8 de julho de 1822, no Mar Lígure, Golfo de Spezia, na Itália.

Poemas de Percy Shelley:

Filosofia do Amor

Todas as fontes com o rio se fundemE os rios com o oceano;Os ventos, pelos ares, uns aos outros se unemCom fragrante emoção;Nada fica sozinho neste mundo;Tudo, por fado antigo,Entre si se mistura e se confunde:—Porque não eu consigo? Olha! As montanhas beijam o...

ler mais

Uma Voz Mais Remota

És um átrio à Mente, apenas,Aonde sobem ânsias terrenas Como insetos numa catacumba, Iluminados por sincelos; Mas abre um mundo o umbral da tumba, De graças que farão singelos Teus feitos, mesmo o mais sobejo, Não mais que um diurnal lampejo, Breve sombra de um...

ler mais

Ode ao Céu

CORO DE ESPÍRITOS Cúpula que as nuvens fende!Éden que áurea luz resplende! Infindo, Vasto, Ilimitado, És agora e fostes ontem! Do presente e do passado Do sempiterno Quando e Onde, Câmara, santuário, lar, Fixo domo a perdurar, Dos atos e eras por passar! Sopras vida a...

ler mais

Poetas similares a Percy Shelley

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade

Categorias