Gertrude Stein

por dez 7, 2018Poetas0 Comentários

Gertrude Stein nasceu a 3 de fevereiro de 1874, em Pittsburgh, Estados Unidos. Também conhecida como “Miss Stein” foi uma poeta de vanguarda, dona de um estilo de vida próprio e que refletia bastante em suas obras. Cercada de grandes artistas e intelectuais da época, também foi uma referência feminina na literatura e em suas relações pessoais, tendo vivido durante 25 anos com a escritora Alice B. Toklas. É um dos personagens históricos retratado no filme “Meia-noite em Paris”, grande sucesso de Woody Allen.

Quando tinha três anos de idade, Gerstrude e sua família mudaram-se para Viena, na Áustria e depois Paris, na França. Na capital francesa, ela reunia em sua casa um ilustre grupo de artistas como Pablo Picasso, Henri Matisse, Guillaume Apollinaire, Ezra Pound, Ernest Hemingway, James Joyce, entre outros. Muitos creditam que ela foi a principal responsável pela ascensão de Picasso, que a imortalizou em um célebre retrato. Nesse período ela também conheceu Alice B. Toklas, por quem se apaixonou. Para a amada, ela escreveu a autobiografia da escritora, em 1933, que passou a ser considerada uma obra fundamental da vanguarda parisiense dos anos 1910, 20 e 30.

Miss Stein adorava fazer provocações, principalmente em relação à palavra “gênio”. Segundo a própria autora, suas principais referências foram Cézanne e Flaubert, por isso utilizava muitas de repetições intencionais em seus textos, como em uma espécie de “gagueira mental”, muito próximo dos trabalhos dadaístas. É possível extrair algum sentido de seus poemas, porém, parecem muito mais a experimentos sonoros, influenciados pelo surrealismo. A maioria dos seus poemas são extensos, explorando as repetições de vocábulos e o uso de palavras monossilábicas, assemelhando-se a poemas em prosa. 

Gertrude Stein faleceu no dia 27 de julho de 1946, em Paris, na França. Encontra-se enterrada no Cemitério Père Lachaise, ao lado de Alice B. Toklas.

Poemas de Gertrude Stein:

Uma Sombrinha Desfechada

Qual era a utilidade de não deixá-la lá onde ela ficaria pendurada qual era a utilidade se não havia chance de nunca tê-la visto aqui e mostrar que ela era bonita e certa a forma de mostra-la. A lição é ensinar que ela se mostra assim, que ela se mostra assim e que...

ler mais

Ínfima Velha Estrela

Ínfima velha estrela. Fluída sempre. Foste um triste percentual. Faz um dia de sol. Vigia ou água. Tão logo a lua ou um pesado velho assédio.

ler mais

Poetas similares à Gertrude Stein

Trackbacks / Pingbacks

  1. Anne Sexton » Recanto do Poeta - […] Gertrude Stein […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade

Categorias